O actual navio-escola Sagres foi construído nos estaleiros da Blohm & Voss, em Hamburgo, em 1937, tendo, na altura, recebido o nome Albert Leo Schlageter. Era o terceiro de uma série de quatro navios encomendados pela Marinha Alemã (Kriegsmarine), que incluía o Gorch Fock (1933) (que veio a ser o Tovarish (1952-2003), o Horst Wessel (1936) (actual Eagle da United States Coast Guard), e um quarto navio nunca concluído, por entretanto ter eclodido o conflito, ao qual foi dado o nome Herbert Norkus (1939). Aliás, parte do aparelho deste último, nomeadamente vergas e mastaréus, veio posteriormente a ser utilizado no Gorch Fock (1958), actual navio-escola da Marinha Alemã, construído vinte anos mais tarde, de acordo com os planos dos anteriores veleiros. Além dos navios mencionados, o estaleiro alemão construiu um outro veleiro desta classe, o Mircea (1938), satisfazendo uma encomenda da Marinha Romena.

    No final da guerra, aquando da partilha dos despojos pelos vencedores, o Horst Wessel e o Albert Leo Schlageter couberam aos Estados Unidos. No entanto, apesar dos esforços do Comandante americano da Base Naval de Bremerhaven, não foi possível encontrar, nos Estados Unidos, uma instituição que quisesse ficar com este navio. Pelo que, ao fim de três anos, acabou por ser cedido à Marinha do Brasil, com o intuito de fazer face aos danos causados pelos submarinos alemães aos seus navios, durante a guerra. Em 1961 foi adquirido por Portugal, no sentido de substituir a antiga Sagres, que, curiosamente, também havia sido navio alemão.

    De facto, a anterior Sagres foi lançada à água em Bremerhaven, em 1896, com o nome Rickmer Rickmers. Em 1916, quando a Alemanha declarou guerra a Portugal, este veleiro encontrava-se nos Açores, tendo sido então arrestado. Baptizado com o nome Flores, foi colocado à disposição dos ingleses, que o usaram como transporte. Em 1924, terminada a sua utilização como navio mercante, foi incorporado na Marinha Portuguesa como navio-escola e com o nome Sagres. Razão pela qual, nomeadamente no estrangeiro, o actual navio-escola Sagres é, por vezes, apelidado de Sagres II, o que, na realidade, não corresponde à verdade. A explicação para tal reside no facto da Marinha Portuguesa ter contado anteriormente com um outro navio, com o nome de Sagres. Tratava-se de uma corveta mista com casco em madeira, construída em Inglaterra nos estaleiros de Messrs. Young, Son and Magnay, Limehouse, em 1858. Armava em galera e, fundeada no rio Douro, serviu como navio-escola, entre 1884 e 1898.

 
Albert Leo Schlageter (1937-1948)
 
O contrato para a construção do Albert Leo Schlageter, entre o estaleiro da Blohm & Voss e a Marinha Alemã, foi assinado no dia 2 de Dezembro de 1936. Com a quilha assente no dia 15 de Julho de 1937, dois meses e meio depois, a 30 de Outubro, o navio foi lançado à água, tendo sido incorporado a 12 de Fevereiro do ano seguinte. Largou para a primeira viagem de instrução no dia 20 de Março de 1938, colidindo, dois dias depois, no estreito de Dover, com o navio-vapor Trojan Star, debaixo de cerrado nevoeiro. Antes do início da guerra fez outras viagens de instrução, donde se destacam duas navegações ao Atlântico Sul. Durante grande parte da guerra foi mantido atracado em Kiel, sendo a bordo ministrada instrução de marinharia e navegação.

    
Em 1944, no sentido de melhorar a preparação marinheira dos seus homens, a Marinha Alemã decidiu colocá-lo novamente a navegar, restringindo as viagens ao Báltico, área então considerada relativamente segura para a missão destes navios. Foi, no entanto, durante uma viagem de instrução naquele mar que o Albert Leo Schlageter embateu numa mina. O acidente, ocorrido debaixo de forte temporal no dia 4 de Novembro, vitimou 18 elementos da sua guarnição, tendo o próprio navio escapado graças à existência de compartimentação estanque, um dos requisitos que nortearam a construção dos veleiros desta classe, bem como pelo facto de se encontrar a navegar em conserva com o navio-irmão Horst Wessel.
 
   
 
 
 
 
 
 
 
 
 A poucos dias do final da guerra, e depois de haverem sido reparados os danos resultantes do embate na mina, o Albert Leo Schlageter foi levado para Flensburg. Esta decisão terá evitado a sua perda, uma vez que a cidade de Kiel, incluindo a sua base naval e os navios que aí se encontravam atracados e fundeados, foram quase totalmente destruídos pelos bombardeamentos da aviação inglesa, desencadeados nos últimos dias do conflito.
 
    Com a bandeira alemã o navio teve os seguintes comandantes:
  • Fregattenkapitan Bernhard Rogge (Fevereiro de 1938 - Setembro de 1939)
  • Kapitan zur See Joachim Asmus (Janeiro de 1944 - Novembro de 1944)
  • Korvettenkapitan Johann Reckoff (Abril de 1945 - Maio de 1945)

 
 
Guanabara (1948-1962)
 
    O Albert Leo Schlageter foi cedido pelos Estados Unidos à Marinha do Brasil em 1948, pelo valor simbólico de 5.000 dólares. Uma vez que o navio carecia de fabricos indispensáveis, depois de içada a nova bandeira em Bremerhaven, o trânsito até ao Rio de Janeiro foi feito a reboque. Cerca de um mês depois, entrou pela primeira vez a baía de Guanabara. Haveria de ostentar o nome da célebre baía brasileira a partir do momento em que foi aumentado ao efectivo dos navios da Marinha do Brasil, cerimónia que teve lugar no dia 27 de Outubro desse ano, logo que concluídas as reparações. Até 1961, altura em que foi vendido a Portugal, efectuou inúmeras viagens de instrução ao longo da costa brasileira, tendo apenas visitado um porto estrangeiro, Montevideu, no Uruguai, em 1949. Dez anos depois, a 21 de Julho de 1959, o Guanabara concluiu a sua derradeira viagem ao serviço da Marinha do Brasil. No dia 30 de Novembro de 1960 foi formalmente abatido ao efectivo.
 Dois anos depois da sua paragem, o governo português logrou adquirir o Guanabara, muito se ficando a dever este êxito à acção empenhada do Dr. Pedro Teotónio Pereira, na altura Ministro da Presidência. A sua aquisição visava substituir a antiga Sagres, que já não se encontrava em condições de assegurar a continuidade das viagens de instrução. O contrato de venda do navio foi assinado no Rio de Janeiro a 10 de Outubro de 1961, pelo valor de 150.000 dólares, data em que, pela última vez, foi arriada a bandeira do Brasil.
    Com bandeira brasileira o navio teve os seguintes comandantes:
 
  • Cap. - Frag. Pedro Paulo de Araújo Suzano (27OUT48)
  • Cap. - Frag. Daniel dos Santos Parreira (08NOV49)
  • Cap. - Frag. Augusto Lopes da Cruz (22SET50)
  • Cap. - Frag. Levy Penna Aarão Reis (10JAN51)
  • Cap. - Frag. Osmar Almeida de Azeredo Rodrigues (02FEV52)
  • Cap. - Frag. Ernesto de Mello Baptista (05FEV53)
  • Cap. - Frag. Maurício Dantas (24FEV54)
  • Cap. - Frag. Oscar Lopes Fabião (18MAR55)
  • Cap. - Frag. Mário Carneiro Esposel (24MAR56)
  • Cap. - Frag. Alberto Pimentel (14JUN57)
  • Cap. - Frag. Ernesto Mourão de Sá (15ABR59)
 

 
Sagres (desde 1962)
 
    Ao abrigo da portaria nº18997, de 30 de Janeiro de 1962, o NRP "Sagres" foi aumentado ao efectivo dos navios da Marinha Portuguesa, diploma que igualmente classificava como navio-depósito o anterior navio-escola Sagres, doravante com o nome Santo André. Não obstante, só nove dias depois, a 8 de Fevereiro, é que a cerimónia oficial teve lugar no Rio de Janeiro, data em que o então Capitão-tenente Silva Horta assumiu o comando do navio, depois de haver sido o último Comandante da antiga Sagres.
    Com a aquisição da nova Sagres conseguiu-se aquele que era o principal objectivo, ou seja, dar continuidade à existência de um navio-escola veleiro na Marinha Portuguesa, para que pudesse ser assegurada a formação marinheira dos seus futuros oficiais, complementando-se assim as componentes técnica e académica ministradas na Escola Naval.
O navio largou no dia 25 de Abril de 1962 para a sua primeira viagem com a bandeira portuguesa, tendo chegado a Lisboa a 23 de Junho, depois de ter feito escalas no Recife, Mindelo e Funchal.
    Desde 1962 o navio-escola Sagres tem efectuado anualmente viagens de instrução com cadetes da Escola Naval, à excepção de 1987 e 1991, anos em que, com vista à sua modernização, cumpriu prolongados períodos de fabricos.
    Além da missão relacionada com a instrução dos cadetes, o navio-escola Sagres é também regularmente utilizado na representação da Marinha e do país, funcionando como embaixada itinerante de Portugal. No âmbito das suas missões, o navio-escola Sagres cumpriu já três viagens de circum-navegação, em 1978/79, 1983/84 e 2010, bem como outras viagens de duração superior a cinco meses, que o levaram a participar na regata Colombo (1992), integrar as comemorações dos 450 anos da chegada dos Portugueses ao Japão (1993) e ainda nas celebrações por ocasião dos 500 anos do achamento do Brasil (2000). 
 
   Com bandeira Portuguesa, o navio já teve os seguintes Comandantes:
 
  • Cap.-Ten. Henrique Afonso da Silva Horta (08FEV62)
  • Cap.-Frag. Daniel Farrajota Rocheta (29SET65)
  • Cap.-Frag. José Fernando Ferreira da Costa (03OUT69)
  • Cap.-Frag. Eurico Serradas Duarte (14NOV73)
  • Cap.-Frag. José Fernando Ferreira da Costa (28MAI74)
  • Cap.-Mar-e-Guerra Fernando Miranda Gomes (05MAI75)
  • Cap.-Frag. José Fernandes Martins e Silva (15NOV76)
  • Cap.-Frag. Engrácio Lopes Cavalheiro (21JAN80)
  • Cap.-Frag. António Luciano Homem de Gouveia (17DEZ82)
  • Cap.-Frag. José Manuel Castanho Paes (14ABR86)
  • Cap.-Mar-e-Guerra José Manuel Malhão Pereira (06OUT89)
  • Cap.-Frag. José Armando Rodrigues Leite (22JAN93)
  • Cap.-Frag. Duarte José Cruz de Castro Centeno (10OUT95)
  • Cap.-Frag. António Maya Dias Pinheiro (07OUT98)
  • Cap.-Frag. António Carlos Vieira Rocha Carrilho (04SET01)
  • Cap.-Frag. José Luís Pimentel Antunes do Vale Matos (25OUT05)
  • Cap.-Frag. Luís Pedro Pinto Proença Mendes (06NOV07)
  • Cap.-Frag. Luís Nuno da Cunha Sardinha Monteiro (16MAI11)